Google Tag Manager

terça-feira, 14 de julho de 2015

Haitianos refugiados em Sao Paulo recebem doacao em 2015

Banner Bem Estar

Ajuda Humanitária da Igreja de Jesus Cristo doa suprimentos a Haitianos refugiados em São Paulo


A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, através de seu Programa de Ajuda Humanitária, doou suprimentos à Casa do Imigrante, mantida pela Igreja Católica do Glicério, que tem recebido muitos refugiados do Haiti.

Foram doados:

o   1.500 unidades de salsicha em lata
o   1.500 unidades de atum em lata
o   1.500 unidades de carne seca
o   Materiais de limpeza (sabão em pó, detergente e desinfetante

Voluntários Mãos que Ajudam estão montando kits de material escolar para ser entregue a 300 refugiados. O padre responsável pela Paróquia Nossa Senhora da Paz, Paolo Parise, agradeceu pela ajuda neste momento de dificuldade, com a chegada de tantos refugiados de forma inesperada.

Fonte e fotos: Gilberto Bonini, do Departamento de Bem Estar de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

quinta-feira, 26 de março de 2015

O que sao Runas


O que são Runas?


Runas são um alfabeto nórdico também usado como oráculo pelos antigos Wikings.

Runas
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Runas



Pedra rúnica com runas do século XI em Skänninge, Suécia.



Osso com runas encontrado em Lund.



Codex Runicus - um pergaminho do séc. XIII com as Leis da Escânia

As runas são um conjunto de alfabetos relacionados que usam letras características (também chamadas de runas), usadas para escrever nas línguas germânicas, principalmente na Escandinávia e nas ilhas Britânicas


Estes caracteres têm sido encontrados em pedras rúnicas, e em menor número em ossos e peças de madeira, assim como em pergaminhos e placas metálicas.

Em todas as suas variedades, as runas podem ser consideradas como uma antiga forma de escrita da Europa do Norte. A versão escandinava que também é conhecida como Futhark (derivado das suas primeiras seis letras: 'F', 'U' 'Th', 'A', 'R', e 'K'), e a versão Anglo-saxónica conhecida como Futhorc (o nome também tem origem nas primeiras letras deste alfabeto).

As inscrições rúnicas mais antigas datam de cerca do ano 150, e o alfabeto foi substituído pelo alfabeto latino com a cristianização, por volta do século VI na Europa central e no século XI na Escandinávia.

Contudo, o uso de runas persistiu para propósitos especializados, principalmente na Escandinávia, na área rural da Suécia até ao início do século XX (usado principalmente para decoração e em calendários Rúnicos).

Além do alfabeto, a cultura germânica antiga possuía um calendário, cujo ano se iniciava no dia 29 de Junho, representado pela runa Feob.

Índice

1 Nota
2 Origem Mitológica das Runas
3 Ver também
4 Ligações externas


Nota


Runemal era a arte do uso de alfabetos rúnicos para obter respostas, como um oráculo, instrumento usado pelos iniciados nesta arte desde o pré-cristianismo para o auto-conhecimento. 

Arte denominada de pagã pelo cristianismo.


Origem Mitológica das Runas

Contam as lendas vikings que os deuses moravam em Asgard, um lugar localizado no topo de Yggdrasil, a Árvore que sustenta os nove mundos. Nesta árvore, o deus Odin conheceu a sua maior provação e descobriu o mistério da sabedoria: as Runas. Alguns versos do Edda Maior, um livro de poemas compostos entre os séculos IX e XIII, contam esta aventura de Odin em algumas de suas estrofes:

"Sei que fiquei pendurado naquela árvore fustigada pelo vento,

Lá balancei por nove longas noites,

Ferido por minha própria lâmina, sacrificado a Odin,

Eu em oferenda a mim mesmo:

Amarrado à árvore

De raízes desconhecidas.

Ninguém me deu pão,

Ninguém me deu de beber.

Meus olhos se voltaram para as mais entranháveis profundezas,

Até que vi as Runas.

Com um grito ensurdecedor peguei-as,

E, então, tão fraco estava que caí.

Ganhei bem-estar

E sabedoria também.

Uma palavra, e depois a seguinte,

conduziram-me à terceira,

De um feito para outro feito."

Esta é a criação mítica das Runas, na qual o sacrifício de Odin (que logo depois foi ressuscitado por magia) trouxe para a humanidade essa escrita alfabética antiga, cujas letras possuíam nomes significativos e sons também significativos, e que eram utilizadas na poesia, nas inscrições e nas adivinhações, mas que nunca chegaram a ser uma língua falada.

Ver também

Ligações externas
ebook sobre o uso pagão das runas.